terça-feira, 12 de junho de 2012

Venho despertando todos o dias com o chamado do olhar de Madalena. 

Esse olhar me instiga, me chama, me empurra. Me lembra de olhar e ver, de escutar e ouvir, de falar no silêncio, de tocar e sentir. 

Esse olhar que  lembra de sermos humanos para nos tornarmos divinos. Tudo retorna... sempre...

Maria de Magdala - A Torre do Amor

Ela o anseia como quem pressente a chegada daquele que “É”

Ela o respira com a certeza de que o Sopro o emana

Ela o cria com a fé de que o Amor o prepara

Em seus olhos a força que subjuga o medo

Em seus lábios bençãos

Em seu ventre a eleição que o faz Deus

Em seu peito o abrigo, a fonte de onde brota coragem

Em seus pés a segurança de seguir, apesar de tudo e sempre

Em seu coração o Bem

Seu guia a Simplicidade

Sua defesa compaixão

Seu hino “Que assim seja”

Sua casa oração

Seus amigos... sua família... seus filhos...  irmãos

O perdão grita em seus poros e o silêncio é o seu chão

Ah! Maria! Que sempre o soube...

Madalena que muito amou!

De teu amor consciência e Luz, por tua Luz a morte se curva ao Amor

Suspira Maria...

“Raboni meu amado Mestre! Faz em mim o teu Reino, em mim que sempre estive em Ti ainda quando eu não existia.”  

Raboni... Raboni... Meu Mestre...Meu pai...Meu amigo... Meu irmão... 

Meu Amor...

Fernanda Zanini